sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Selvagem e faminta

(Foto: Paula A Tirada de: http://nosilenciodosdias.blogs.sapo.pt/)
Onde você mora? O que é preciso para alguém dizer que mora em algum lugar, ou para sentir-se morando em algum lugar? Isso impede o fato de todos nós estarmos só de passagem?
Todo dia, sempre que possível, alongo ao máximo o caminho que faço para o trabalho e faculdade como também o caminho que faço de volta. È como se o que importasse não fosse a finalidade da viagem, mas o processo em si e as coisas que acontecem durante o trajeto. Como se o asfalto de dia e as luzes à noite fossem o que preciso para me sentir à vontade, em casa. Como se o jeito das pessoas que sempre vejo pela primeira e última vez...
Como se o jeito dessas pessoas em meio a tudo o que causa amor e ódio – entre uma estação e outra, entre a fumaça dos carros e o vento que sopra suave na Rua da Frente – me fizesse mais vivo. È como se toda a força esquecida num ser humano viesse à tona para enfrentar o niilismo maldoso da cidade que nos toma e nos absorve só para deixar-nos alheios à própria vida que corre em meio a tudo isso.
O deus da cidade alimenta todo um mecanismo que nos reduz a nada ao tomar-nos para si. E por proporcionar prazer e conforto, em troca permitimos nossa própria destruição.
Quando estou na rua sinto-me em casa e com direito de odiar tudo isso. Surge uma necessidade enorme de proteger a cidade dela mesma, é como amar um suicida e no fim perceber que quem estava morrendo era você, ou o próprio amor – como uma formiga tentando parar uma manada de elefantes.
Todos percebem, mas o prazer que recebemos em troca é o suficiente para baixarmos guarda e fazer com que o fluxo não tenha fim. Por isso alguém que tente falar de um Deus que pode acabar com todo o mal raramente será bem aceito, pois esse alguém diz que para o mal acabar o mecanismo que nos dá segurança e prazer também tem que ruir.
O que seria importante pra você? O fato de agarrarmos com unhas e dentes algo que está com um prazo de validade intrínseco não vai evitar que esse algo pereça, mesmo que dure mais que a vida da gente.
Por isso, em cidades como as que moramos é importante saber: De onde você mora dá para ver o sol se pôr? Você consegue sentir se é dia ou noite quando se tranca em seu quarto?
Se você sair na calçada conseguirá ver o sol nascer?
Estamos perdendo contato com o que realmente foi feito para nós...
Ontem abri as janelas e vi um lobo selvagem e faminto em meio às flores do meu jardim enquanto crianças brincavam perto dele. A visão só era bela pois o lobo ainda estava dormindo.
O que dá pra ver daí?

10 comentários:

Mima disse...

nem tenho o que dizemr sobre as coisas lindas que você escreve!
Estou com algumas preocupações e vim aqui por acaso... lí essas suas palavras e fiquei mais calma...
Obrigada por escreer coisas tão belas!!^^

beijos

Vinícius*Magalhães disse...

Primeiro parabéns pelas palavras usadas. Também pelo belo texto.
As vezes também faço isso, de prolongar meu trajeto, mas acho que com um objetivo diferente... Mas entendi o que quis dizer.
Daqui, sinceramente... vejo vizinhos fumando pela janela, gritando com os filhos, e com cara de "que vida de merda é essa?"

Márcio Daniel Ramos disse...

Textos como sempre muito profundos. Li várias vezes...

Mais realmente o conceito de “morar” é bastante relativo e questionável, como quase tudo. Para a lei, sua casa é simplesmente para onde é encaminhada sua correspondência. Mais, como você disse, estamos aqui da passagem. O importante é vivermos cada momento, no mundo de hoje, devemos ver o mundo como nossa casa. Isso implica dizer que devemos nos preocupar com o que está a nossa volta, e porque não dizer, com os nossos próximos. É muito importante parar em meio ao ativismo da cidade pra ver o por do Sol, os as próprias pessoas, ouvi-las, ajuda-las.

Naya Rangel disse...

O texto ficou incrível! Bom ultimamente é complicado fica andando por aí, antes também gostava de "apreciar" o trajeto, mas infelizmente não dá mais =/ Respondendo a sua pergunta, daqui dá para ver o nascer do sol, A Embraer inteira, o ITA e a UNIFESP ... até que não é tão ruim assim né?

Abraços!

Karina Kate disse...

Adorei a parte em que vc diz que o nosso trajeto temos que nos sentir a vontade, e é verdade. Não podemos nos estressar no caminho, devemos aproveitar ate o tempo que gastamos voltando do trabalho, da escola, faculdade, seja onde for. Vemos outras pessoas, novas caras e isso que é interessante. Mas daqui, agora, dessa janela, vejo um condomínio, com uma piscina, com suas gotas de chuva fazendo as águas se mecherem, apenas, ninguém aparece na vista.
bjos

Stéphanie disse...

Daqui eu vejo tudo.

"se you!" best friend boy!

Maluco do Pão disse...

Eu deveria dar de presente a esse texto uma medalha do melhor texto lido nos últimos tempos...

Tucontuá disse...

vc deve ter lido o anticristo de niet para escrever!

Wênderson Bessa disse...

concordo com vc.. Estamos perdendo contato com o que realmente foi feito para nós.. as vezes deixamos passar despercebidos pequenos detalhes.. muito importantes.. sempre que acordo cedo vjo o sol nascer.. e a tardinha ele se pôr.. um ciclo.. sabermos que todo dia irá acontecer.. más numk será igual ao de ontem..

sequelanet.com.br disse...

Ótimo texto, devemos apreciar nossa morada e principalmente cada detalhe da nossa que passa despercebida nas nossas viagens.
abraços